Câmara congela salários dos futuros representantes políticos do município até 2020


Na sessão desta terça feira, 28, com presença da população no plenário, o legislativo municipal congelou os salários dos futuros representantes políticos da cidade, como vereadores, secretários, vice prefeito e prefeito para a gestão entre 2017 até 2020, que serão remunerados com os mesmo valores pagos na gestão entre 2013 a 2016.

Palavra do Presidente – Prof Ney pediu agilidade na votação do projeto que oficializa o feriado de São Cristovão no dia 25 de julho. “Estamos imbuídos em cargo público e a obrigação é o mínimo que possamos fazer e aguardar o reconhecimento”, declarou. Falou sobre as festividades juninas na cidade, onde circulou pelo comércio e percebeu que o movimento foi razoável, não havendo prejuízos aos barraqueiros. Agradeceu à prefeitura e aos vereadores pela tradição ter sido mantida. Em relação ao projeto colocado pela Câmara, se dirigiu à tribuna para desmentir boatos das redes sociais, explicando se tratar de uma lei que os vereadores são obrigados a votar de quatro em quatro anos. Lembrou que a Casa não se negou a votar um só projeto de aumento salarial dos servidores, tendo sido votado o Plano de Cargos e Salários com o aval do sindicato. Parabenizou as pessoas que falaram que não concordam com o aumento do salário dos edis, porém repudiou os oportunistas que não comparecem à Casa e fazem as críticas, “não é assim que se consegue o voto, qualquer um pré-candidato pode fazer uma carta e entregar pedindo para receber um salário mínimo, e que quer abrir mão da diferença”, disse. Elogiou o radialista Arnaldo Silva que procurou a Câmara por toda a semana para saber como o projeto funcionava. Explicou que não é aumento dos próprios salários e sim da próxima legislatura. “Existe emenda coletiva onde todos os vereadores assinaram, e aqueles que acham que podem soltar as mentiras, a decisão foi encarando dentro da realidade, ouvindo os que fazem a crítica construtiva e que ninguém ousem a dizer amanhã que a Casa voltou atrás, não se volta atrás de uma decisão que não se tomou ainda”, relatou. “A Câmara é comprometida e economizamos cada centavo, diárias, custo de material e devolvemos recursos volumosos e inclusive maior que Câmara de grande porte, acreditamos que nos quatro anos a devolução supera 400 mil reais”, continuou. “Todos viram o investimento nas câmeras de monitoramento, somos pessoas honestas que trabalhamos pelo município, é o futuro da cidade, é a economia do município, o caráter de um homem não se julga pelo seu salário, o caráter do vereador não se julga pelo salário e sim pela honradez”, concluiu.

Bruno Vitor, Vice Presidente, falou que as coisas são passadas de forma equivocadas como se os vereadores fossem o “super-man” , “e não é assim, todos tem limites de funções, e quando o Presidente do Sinsp, Miguel Novais, fala que os vereadores poderiam fazer mais, isso é injusto, eu estou vereador, eu sou Agente de Saúde desde o ano 2000, e fiz um curso para a SAMU, mas não me adaptei , pois sentia falta dos amigos, já discuti com prefeito e secretário de saúde olho a olho para defender os Agentes de Endemias”, disse. “Houve o concurso para operacional de saúde e houve através da Presidenta Dilma aumento para que se recebesse também o ACS, e não aconteceu empecilho através da Câmara”, explicou. Falou também sobre o piso salarial de 2014 para os Agentes de Saúde que ajudou a conquistarem, para depois buscarem a melhoria para o Agentes Operacional e de Endemias que fazia injustamente o mesmo trabalho com salários diferentes, “não era justo”. “É injusto quando o Presidente do Sinsp diz que os vereadores não brigam pelos funcionários, pois nós cobramos do prefeito, mais do que a oposição”, adiantou. “O presidente do Sinsp traz o Plano de Cargos e Salários para votar do jeito que está lá, no penúltimo plano se não fosse o olhar da comissão de vereadores e de Selma teria sido muito pior, o que falta é o Presidente do sindicato vir mais a esta Casa, e independentemente da posição dos vereadores são vocês que vão dizer”, declarou. Informou que depois da aprovação do plano, o presidente do sindicato não voltou mais na Câmara, apenas utiliza meios de comunicação para falar mal de vereadores. Eu peço a comissão que acompanha o presidente do Sinsp, que chame ele e venha a esta Casa, o Plano foi votado de acordo com o Sinsp, o repasse e o teto também foram votados”, finalizou.

Samoel Moto Taxi esclareceu sobre boatos com o seu nome, onde na Câmara aconteceu uma reunião com barraqueiros das festas juninas, e que falara que ele foi contra o São João, precisando ir em cada barraca desmentir. “Vergonhoso é cobrar 400 reais de um barraqueiro, teve gente que no primeiro dia de festa vendeu apenas 100 reais, e quem tem coragem de fazer esse fuxico não tem coragem de defender os barraqueiros”, repudiou. Cobrou da Secretaria de Urbanismo sobre melhoramentos das entradas dos bairros, como José Mendes e Planaltino, entre outros, “memorial Pafac, com frequência de velório, uma vergonha aquela entrada”, relatou. Disse ser vergonhoso ver as pessoas da zona rural comprar braços de lâmpadas. Também achou injusto ver tantos relatos de motoristas de ambulâncias viajar com diárias de 50 reais e ainda tem situações de receberem meia diária, com outras situações de setores que poderiam cortar, “agora de motorista de ambulância preparado para salvar uma vida é injusto”, desabafou. Reforçou o pedido do vereador Gilberto para o conserto do Ponto de Ônibus da comunidade das Melancias. “Se cada gestor que passasse fizesse o calçamento de uma rua já ajudava, sem falar em povoados que estão abandonados, principalmente Pedras Altas”. Sobre o aumento salarial dos vereadores disse ser mentira que algum vereador tenha colocado o projeto, pois é uma Lei que tramita de quatro em quatro anos e cada um aprova ou não, e vereador pedindo para que seja de um salário mínimo, talvez não daria, e no fundo está doido para que os vereadores aprovem o aumento”, concluiu.

 

Hildete Carvalho agradeceu às pessoas que participaram dos festejos juninos, onde já era esperado ser uma festa calma, pois tem um policiamento a altura com o trabalho do Capitão Luiz Henrique, principalmente no dia 25 com o cantor Léo Magalhães, que superou os dias anteriores, e as bandas que não levaram a documentação como a Bahiatursa pediu ficaram sem tocar. Falou da dedicação dos vereadores para a cidade e com 20 anos na Casa sai de mãos limpas e coração tranquilo.

 

 

Frank Neto disse ser satisfatório finalizar o semestre e ter a certeza de olhar para trás e ter a consciência do dever cumprido, “a vontade é sempre maior do que o que desejamos fazer pela cidade, fazemos o que podemos, encarando o povo e a imprensa para os nossos feitos”, disse. Falou que o projeto da LDO (Lei de Diretrizes Orçamentarias) é importante ser votado tendo já o parecer favorável pela comissão de finanças. Comentou também sobre a realização do Arraiá do Capitão que aconteceu de forma brilhante. Também lembrou da 28ª edição do Retiro Espiritual da Igreja Adventista, que dignificou a população capimgrossense. Fez menção ao título de cidadão onde sua escolha foi Vagner Vilas Boas, que é funcionário do Ministério da Educação e vem ajudando Capim Grosso. “Temos vereadores de características diferentes com habilidades na área de saúde, outros com questões estruturais da cidade, outros elaboram e conquistam projetos, mas no final, o conjunto da Casa apresenta trabalho que dignifica a população, não me envergonho do salário que recebo durante a gestão e tenho feito o de melhor para justificar o que ganho, que não foi votado por mim, é uma Lei, entristece ouvir comentários que não dignifica o cidadão, é um projeto colocado pela Lei, e a decisão é fruto da realidade de um momento e não seria uma injustiça se os vereadores tivessem tomado outra decisão, e o importante é olhar para cada um e ver que os colegas fazem o trabalho que dignificam, não cabe a mim julgar se vai continuar ou não, cabe a população”, adiantou. “Ser vereador é uma questão de escolha e tenho certeza que os que buscam espaço de representante do povo é porque fazem pelo povo e pela cidade, o salário é bom, mas não é o suficiente para fazer pelo homem carente, pessoas que nem conhecemos e vemos a necessidade e se não tivemos cuidado todo nosso salário é devolvido, o momento é delicado e os vereadores tomaram a decisão correta, antes de chamar o vereador de ladrão tenha consciência do que estamos planejando para o futuro”, desabafou. Falou sobre a devolução do dinheiro pela Câmara para a implantação das câmeras de vídeo monitoramento que a população vem acompanhando.

Antônio de Braz convidou a população para a quadrilha junina no dia 30 de junho na comunidade de Melancias. Disse que participou também na zona rural das festividades juninas. Cobrou da Secretaria de Urbanismo que se faça serviços na Rua Teodoro Ferreira, pois foi feito uma canalização residencial e quando chove o mau cheiro volta para dentro da casa da família, prejudicando também quem mora ao redor. Disse que acontecerá audiência pública em Senhor do Bonfim nesta quarta feira, 29, buscando projeto para o município. Explicou que foram colocados pelo povo, sabendo o tamanho da seriedade, sendo necessário que a população acompanhe cada um, e que não é justo colocar nos meios de comunicações coisas que inverdades que venham atingir os vereadores, “foram felizes os edis que falaram não se envergonhar fazer parte desse grupo de legisladores, e gostaria que as pessoas visassem os dois lados da moeda, pois nós temos responsabilidades, não fomos nós que criamos a Constituição Federal, mas temos serenidade de analisar e votar ou não, é bom que se tenha controle em tudo que se fala, nós precisamos que a população se manifeste e que venha nos ajudar, através dos questionamentos, através das oposições, mas analisar o pensamento dos demais”, continuou. “Os cidadãos merecem acompanhamento para as avaliações, pois temos trabalhos prestados para a população”, finalizou.

Vivaldo Moreira pediu que fosse trocado as lâmpadas do Jardim formosa, onde está sem iluminação, pois é um direito do cidadão. Também solicitou que a patrol, quando for fazer os melhoramentos das estradas da Várzea Suja se estenda até a comunidade de Daniel do Canário. “O projeto que dá direito do prefeito e vice ter o salário aumentado, a ideia dos vereadores foi de permanecer congelados os valores, não é que dá para manter, mas pela crise e a situação difícil, mas o dinheiro vai ser valorizado”, explicou. Comentou sobre a doação de um terreno para a construção de um curral para o agricultor, que até hoje não aconteceu. “Se em volta de mim estiver todos bem eu vou estar feliz, mas se estiverem sofrendo eu também vou estar sofrendo”, afirmou.

 

 

Vanderley Araújo comentou que alguns bairros estão abandonados pela Coelba, e a Rua Caiçara é um exemplo, pois dois postes estão no meio da rua. Disse que o secretário Ivanildo está atendendo os pedidos, fazendo a rede de esgoto do local, mas sabe-se que é necessário mais, inclusive nas áreas que envolvem a saúde e muito mais. Relatou que seu mandato está à disposição da população e não tem medo de aprovar ou não determinados projetos, pois caminha com dignidade e respeito ao povo, sem vaidade por estar sendo vereador, pelo contrário, foi eleito sabendo a responsabilidade e a Casa é comprometida com a população, com as decisões respeitando as opiniões de cada um. “Mais uma vez se terão a resposta por criticar os vereadores e não tem coragem de ir até a Câmara acompanhar os trabalhos dos vereadores”, falou. Disse ainda que não se ausenta da cidade durante o recesso e vai continuar trabalhando. Comentou que as bandas que não se apresentaram no Arraiá do Capitão vão continuar tocando pois os dias foram reduzidos, mas que se dependessem dos vereadores e do prefeito essas bandas iriam tocar.

 

 Gilberto Alves também cobrou sobre o ponto de ônibus da comunidade de Melancias, tendo acompanhado a metalúrgica que preparou a estrutura que já está pronta. Comentou que está sendo feito limpeza e capina na Rua Jacobina no povoado do Peixe, e que na comunidade tem um esgoto a céu aberto que é necessário a canalização. Sobre as festividades juninas, disse que o terceiro dia superou o restante. Destacou que mais uma vez a Casa teve união e paz que Capim Grosso espera, que o trabalho feito é em conjunto de vereadores comprometidos com a população.

 

 

Manoel Fernandes relembrou dos trabalhos que os Vereadores fazem, inclusive o esforço de economizar o dinheiro do povo na Câmara, para que fossem devolvidos e o prefeito aplicou em compras de ambulâncias e agora o monitoramento por câmeras de vídeo, explicando que o total das devoluções devem chegar a 400 mil reais em quatro anos.

ASCOM: Câmara Municipal de Capim Grosso